A arte Indigena e a arte moderna

Arte Nativa indigena

 

 

 

A arte indígena brasileira é um tipo de arte produzida pelos povos nativos brasileiros, antes, durante e depois da colonização portuguesa, que começou no século XV.Devido à grande diversidade dos índios brasileiros, é difícil definir um padrão artístico, porém, a cerâmica, o trançado, os enfeites do corpo, as danças e os rituais merecem destaque.

Quando falamos em arte de uma maneira generalizada, não podemos classificá-la como uma atividade individualizada. Na maioria das vezes, ela tem ligação direta com a vida cotidiana e com alguns elementos específicos de cada pessoa. No caso do artesanato indígena no Brasil, por exemplo, todas as peças fabricadas por eles são relacionadas ao seu passado, baseadas no que acreditam e remetem ao seu folclore a as suas tradições. Para o índio, fazer arte é praticar, exercitar e experimentar o espírito coletivo. Na sua concepção, o artesanato é fundamentado na coletividade e na união das pessoas em torno de algo que lhes dá prazer.

No entanto, o artesanato indígena no Brasil não se deu de uma hora para outra, foi se desenvolvendo ao longo dos anos a partir dos acontecimentos diários e dos ritos cerimoniais. Os objetos, as pinturas, os enfeites foram fabricados e introduzidos em suas vidas conforme a necessidade do dia a dia, seja no momento da espiritualidade ou no próprio trabalho doméstico. Dessa forma, cada tribo tinha o seu estilo único e particular para ampliar a sua arte, tornando-a diferente das demais.

A tinta utilizada por muitos grupos, tanto nos objetos de artesanato quanto no corpo, é fabricada por eles mesmos e completamente natural, derivada dos frutos ou das árvores. Em cada etnia, é possível destacar outra importante atribuição indígena, a arte com as plumas. É nela que podemos ver as mais belas e coloridas penas e plumas dos mais variados pássaros em peças como as tangas e os cocares ou em outro tipo de ornamento e vestuário.

E não para por aí! Ainda existem os trabalhos na cestaria e na cerâmica, ambos produzidos pela grande maioria das tribos. Normalmente, os cestos são feitos a partir das folhas de palmeira e servem de recipientes para guardar muitos tipos de alimentos. Na arte da cerâmica, é possível dividi-la em duas partes: a utilitária, em que são feitas panelas, vasos e outros utensílios domésticos e a figurativa, encontrada nas esculturas de animais, nas máscaras e em outros objetos em que o desenho está presente. Nos dois artesanatos, os índios utilizam a tinta para enfeitar as peças. Na grande maioria, a pintura estampada é semelhante a feita no corpo ou se baseia em desenhos abstratos.

hoje as redes sociais se tornaram uma grande aliada dos artesãos muitos mostram suas artes no face ads para iniciantes e varias outras redes sociais, mas a mais popular e sem duvida o facebook.

As máscaras para os índios, são produzidas pelo homem comum, mas ao mesmo tempo, são a figura viva do sobrenatural. São feitas com troncos de árvores, cabaças, palhas, e são normalmente usadas em danças cerimoniais. As cores mais usadas pelos índios são: o vermelho muito vivo, o negro esverdeado, e o branco. A importância desse tipo de cor, é que ao fazerem a pintura corporal, os eles tem a intenção de transmitir a alegria com cores vivas e intensas. Além do mais, através dessa pintura corporal, as tribos se organizam socialmente, como por exemplo: guerreiros, nobres e pessoas comuns.

O importante é saber que nossas comunidades indígenas têm uma grande diversidade cultural e que os artesanatos produzidos são muito importantes e refletem nossos costumes. Hoje também são utilizados como uma importante fonte de renda nas aldeias.

Arte Nativa Moveis indigenas

Quando dizemos que um objeto indígena tem qualidades artísticas, podemos estar lidando com conceitos que são próprios da civilização ocidental, mas estranhos ao índio. Muitos povos não possuem nenhuma palavra para designar arte. No entanto, os objetos produzidos pelos índios têm exercido grande fascínio sobre os ocidentais desde os primeiros contatos, e tem sido difícil evitar atribuir-lhes qualidades artísticas pelo seu grande apelo plástico, pela sua originalidade, pela aura de mistério e exotismo que cerca suas culturas, pelas suas associações simbólicas e sociais, pelas suas funções rituais ou mágicas, elementos que são importantes também na definição ocidental de várias categorias artísticas

O artesanato indígena representa, acima de tudo, a essência de um povo, seu modo de vida, pensamento, cultura e costumes. O autêntico artesanato indígena carrega técnicas milenares de confecção artesanal.

temos o exemplo abaixo da madeira que é usada em diversos trabalhos veja:

A madeira é utilizada para a fabricação de diversos trabalhos nas sociedades indígenas. Vários artefatos são produzidos como ornamentos, máscaras, banquinhos, bonecas, pequenas estatuetas, canoas entre vários outros. Os karajá, por exemplo, produzem estatuetas na forma humana que nos faz lembrar de uma boneca. No alto Xingu os trabalhos em madeira são bastante desenvolvidos. São produzidos máscaras, bancos esculpidos na forma animal, notando-se grande habilidade no trabalho, sendo sua demanda comercial muito grande advinda principalmente de turistas.

No entanto, a “arte” indígena difere da arte contemporânea ocidental pelo seu caráter tradicional e seu forte utilitarismo. Tradicional porque tende a seguir padrões herdados coletivamente, que desenvolvem pequena variação ao longo do tempo, formando-se um corpo de formas, usos e significados estáveis e bem caracterizados. Isso é o que permite distinguir os trabalhos de uma tribo dos de outras, e aproxima a sua arte do folclore. Também não existe a figura do artista como um indivíduo cuja preocupação maior é com a criação incessante do novo antes do que com a preservação da tradição herdada. A mão individual, porém, sempre deixa marcas reconhecíveis na obra, uma marca que, permanecendo dentro de limites estreitos, é apreciada, e que também permite reconhecer os mestres em cada especialidade, cujo trabalho se destaca entre os demais e os habilita a ensinar a outros a tradição.

Como fazer moveis planejados, essa pergunta muitos da atualidade fazem pois a economia é gigante pra quem fabrica seus próprios moveis.

 

 

 

 

O corpo humano: Uma forma de arte

 

A figura do corpo masculino como feminino é marcado com arte. Desde os primórdios o corpo humano é esculpido tentando representar tanto os problemas que a sociedade impõe como também como a visão de cada um pode ser diferente em uma mesma situação.

Nos pênis imensos esculpidos por Francisco Brennand e espalhados num parque das esculturas no Recife Antigo (PE), aos pintos alados do brasileiro Juarez Paraíso e do pai morto do artista plástico Ron Mueck, são inúmeras as maneiras com que a genitália masculina tem sido retratada na cultura contemporânea.

“Agora ele aparece dentro de um contexto mais libertário e, ao mesmo tempo, mais simbólico, no sentido de trazer à tona os valores da atualidade, inclusive da sexualidade contemporânea, já aparecendo todos os fetiches e até algo mais perverso.

Na arte contemporânea, não trabalhamos mais com regras, como havia em outros momentos. Hoje pode se fazer de tudo. Pode, inclusive, estar ligado a ideia do falocentrismo”, garante o Roaleno Ribeiro Amâncio Costa, especialista em arte erótica e professor da Universidade Federal da Bahia (UFBA), e até usam a arte para mostrar alguns problemas em suas relações sexuais.
(como fazer sapatinho de bebe)

A escultura, grosso modo, é a arte de transformar matéria bruta (pedra, metal, madeira etc.)
em formas espaciais com significado. Quando dizemos “formas espaciais”, queremos dizer formas em terceira dimensão, isto é, com volume, altura e profundidade.

Das artes plásticas, a escultura é uma das que mais estabelecem interação com o grande público.

Isso porque, geralmente, elas são pensadas e produzidas com a finalidade de ocupar espaços públicos.

É assim, por exemplo, com os conjuntos esculturais gregos e romanos; mas também com as esculturas produzidas na época do Renascimento ou em culturas de religiões tradicionais, como o budismo e o hinduísmo.

Muitas vezes, as esculturas são também projetadas para acompanhar complexos arquitetônicos, com o objetivo de compor um conjunto artístico harmonioso.

É o caso das esculturas que acompanham as catedrais góticas da Idade Média e os palácios em estilo clássico do período das monarquias absolutistas.
Além disso, de acordo com a época, a civilização e a escola artística, a escultura sofre variações temáticas e formais.

Isso se torna evidente quando comparamos as obras de um escultor renascentista (do século XVI), como Michelangelo, com as obras de um escultor primitivista ou cubista, como Picasso (do século XX).

A Pietá (ver imagem no topo do texto) de Michelangelo, por exemplo, seguramente, tem uma expressão realista típica do Renascimento, que busca transmitir a dor do tema da deposição do corpo de Cristo da cruz e a contemplação pela mãe.

A partir do início do século XX, a escultura passou a ajustar-se às propostas das vanguardas artísticas que emergiram na Europa, como o cubismo, o dadaísmo, o abstracionismo e o construtivismo.

Além do já citado Picasso (que também se destacou na pintura), outros escultores, como Constantin Brancusi e Henry Moore, tornaram-se célebres dentro das vanguardas modernistas, que, até hoje, seguem influenciando a produção contemporânea de esculturas.

 

Calvicie também faz parte de arte

Calvície é uma forma de alopécia caracterizada por uma gradual e progressiva perda de cabelos devido a fatores hereditários.

O tipo mais comum de calvície masculina é a alopecia androgenética, (AAG) ou calvície de padrão masculino. Ocorre em aproximadamente 50% dos homens.

A calvície masculina pode ser causada por uma alteração genética herdada de uma substância de ocorrência natural chamada DHT.

Estudos já realizados de fios de cabelos de couros cabeludos calvos e não-calvos mostraram que, com a calvície de padrão masculino, os níveis de 5-alfa-redutase e DHT no couro cabeludo são consideravelmente altos.

A 5-alfa-redutase é importante na formação de DHT e, consequentemente, níveis elevados de DHT estão associados com calvície masculina. A idade em que a calvície inicia e a velocidade do processo é definida pela quantidade de genes herdados dos familiares do lado paterno, materno ou ambos.

Ela inicia geralmente com o afinamento, encurtamento, rarefação e despigmentação gradativa dos cabelos nas regiões fronto-temporais da cabeça, aumentando com o tempo e evoluindo para a atrofia e morte dos folículos capilares, mas preservando sempre as áreas laterais e posteriores já que são imunes à ação do DHT.

Você chegou aqui e está se perguntando: O que calvície faz em um site de arte? A resposta é: Tudo! Você sabia que muitos artistas usam o tema Calvície em suas obras de arte?

Balding artista Britânico – A calvície a serviço da arte
Somos apaixonados por arte.

Mais também nos importamos com o bem-estar nos nossos leitores, e é por isso que preparamos esse artigo com ticas para você que sofre de calvície. Então vamos continuar!

Diagnostico

O diagnóstico deve ser realizado por um médico dermatologista para que esse determine se o paciente apresenta uma queda normal de cabelos ou se possui uma “influência genética”.

O mesmo irá proceder para o exame visual, encaminhando o paciente para um tratamento, se concluir que a pessoa possui uma queda acentuada dos cabelos.

Tratamento

Há duas formas de tratamento: o cirúrgico e o clínico.

O tratamento cirúrgico mais comum e mais conhecido para combater a calvície é o implante capilar. Atualmente, as técnicas de implante, incluindo o micro implante capilar, apresentam resultado bastante natural e harmonioso para casos selecionados.

Os tratamentos laser, geralmente oferecido a altos custos em clínicas capilares, se demonstraram de pouca ou nenhuma ajuda capilar, se limitando basicamente as propriedades anti-inflamatórias da luz ou laser vermelho (faixa ao redor de 650 mm).

A ação anti-inflamatória é semelhante a de um shampoo anti-caspa medicinal. Alguns aparelhos que se dizem para uso capilar, e que se intitulam como laser, vendidos no mercado a preços bem elevados, na verdade usam LEDs de baixa potência, e, portanto, insuficientes mesmo para um simples efeito anti-inflamatório.

Há evidência que apontam que o antibiótico roxitromicina teria um efeito benéfico para os cabelos quando aplicado na forma de loções tópicas. A roxitromicina tem efeito modulador da resposta imunológica.

Um pequeno estudo clínico, com cerca de 10 pacientes portadores de alopecia androgenética, demonstrou que mais da metade deles obtiveram melhoras significativas quando ao crescimento e fortalecimento de fios miniaturizados. Especula-se que a roxitromicina teria efeito inibidor, na produção de algumas citocinas que seriam prejudiciais aos queratinócitos.

Existem alguns medicamentos em fase de teste, e terapias novas como a multiplicação de células capilares, e tudo leva a crer que no futuro a calvície não seria mais um problema.

A questão é quanto tempo levará para que eles se concretizem e estejam disponíveis.
Atualmente o principal problema, quanto aos métodos verdadeiros e comprovados disponíveis, está no fato de que a maioria dos pacientes só procurar um médico especializado depois que a perda capilar já chegou num estágio bem incômodo, e, portanto, com menores chances de bons resultados.

Geralmente, as pessoas antes de procurar um bom médico acabam usando produtos vendidos na TV, ou shampoos que se intitulam anti-queda, mas que não tem efeito sobre o problema.

Quanto mais cedo for diagnosticado o problema e a prescrição de um tratamento apropriado, maiores são as chances de controle da perda capilar. Mesmo assim a resposta ao tratamento varia de pessoa para pessoa, pois cada pessoa responde de uma forma às medicações.